terça-feira, novembro 16, 2004

É noite... vem a despedida


Foto de A. Brito


Tanto azedume… agora um pouco de bálsamo…


Bendita seja a desgraça,
bendita a fatalidade,
benditos sejam teus olhos
onde anda a minha saudade.

Não há amor neste mundo
como o que eu sinto por ti,
que me ofertou s desgraça
no momento em que te vi.

Há uma palavra na terra
que tem encantos do céu;
não é amor, nem esperança,
nem sequer o nome teu.

Essa palavra tão doce,
de tanta suavidade,
que me faz chorar de dor
quando a murmuro: é saudade!

Florbela Espanca

3 comentários:

ti disse...

Muito bom

Zuka disse...

O tal jantar urge...

Carlos Galveias disse...

yep ;)