segunda-feira, maio 16, 2005

Avante isenção jornalística

Jornal



O alerta partiu de um artigo publicado no Diário de Notícias. Pedro Correia descreve num artigo [“Comunistas ‘reabilitam’ o Mandato de Estaline”] a forma como o jornal Avante!, propriedade do Órgão Central do Partido Comunista Português, regenera a imagem tenebrosa de Estaline.

Pela primeira vez dirigi-me a uma banca de jornais e adquiri, por 1,10 euros, o referido semanário. Não queria correr o risco de estar a ser vítima de desinformação. Quantas vezes já nos sucedeu sermos incorrectamente informados, principalmente quando se trata de informação em segunda-mão? Defendo que nos devemos aproximar da fonte, para conferir as afirmações e analisar a informação no seu contexto global.

Na página 10 encontro o artigo citado no texto do jornalista do Diário de Notícia. O artigo tem como ante-título: “PCP assinala 60 anos da derrota do nazi-fascismo”, tendo como título principal: “Combater a revisão da História”.

No dia nove de Maio realizou-se no Centro de Trabalho Vitória, em Lisboa, uma iniciativa do PCP que teve como objectivo a comemoração dos 60 anos da vitória aliada sobre o nazi-fascismo. Este evento teve a participação de Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP. No seu discurso, Jerónimo de Sousa identifica uma tentativa de apagar “o papel dos comunistas, do movimento operário e das massas na resistência ao fascismo e na luta contra a guerra, de minimizar o contributo da URSS e povo soviético na derrota da mais negra e odiosa ditadura que o sistema capitalista gerou”. Para o secretário-geral, o Exército Vermelho e o povo soviético foram os grandes artífices da vitória.

Podemos extrair duas verdades óbvias, depois de concluída a leitura da edição 1641 [12.Maio.2004] do jornal Avante!

A primeira é que Pedro Correia não é rigoroso, pois nem uma vez é referenciado Estaline. Sim, eu sei perfeitamente quem na altura liderava a antiga URSS, Estaline, mas continuo a considerar que o texto publicado no DN não é rigoroso. O título é demasiado especulativo e não corresponde à essência, característica habitualmente atribuída a outros títulos mais sensacionalistas.

Uma outra verdade, a segunda, é que o Partido Comunista Português não consegue fazer as suas pazes com a história, mantendo problemas de identidade muito graves, dignos de um sofá de psicanalista. Acusar terceiros de reescreverem reinventando a história é muito grave quando se tenta fazer exactamente o mesmo. Condenar o Terceiro Reich ignorando a realidade soviética, dá muito pouca autoridade moral. Neste contexto, apresentar a perda do Socialismo [leia-se Comunismo] como uma catástrofe para a ordem mundial, parece-me leviano.

Recentemente li o livro de Anne Applebaum [“Gulag, uma história”, prémio Pulitzer de 2004], agora pondero enviar uma cópia a Jerónimo de Sousa. Os gulags serão propaganda ocidental?

“Ninguém quer pensar que derrotámos um assassino em massa [Hitler] com a ajuda de outro [Estaline]. Ninguém quer recordar como esse assassino se deu tão bem com os estadistas ocidentais.” [Applebaum, Anne, Gulag, Uma história, Editora Civilização, 2005 – página 20]

…para que nunca mais aconteça!!

2 comentários:

Lutz disse...

Onde foi mencionado Estaline, sim, foi no editorial:
http://www.avante.pt/noticia.asp?id=9579&area=25

Carlos Galveias disse...

Exactamente onde no texto... tenho alguma dificuldade...??