quinta-feira, junho 01, 2006

Tempo...



O tempo não sabe nada
O tempo não tem razão
O tempo nunca existiu
É da nossa invenção

Se abandonarmos as horas para nos sentirmos sós
Meu amor o tempo somos nós

O espaço tem o volume
da imaginação
Além do nosso horizonte
existe outra dimensão

O espaço foi construído sem princípio nem fim
Meu amor tu cabes dentro de mim

O meu tesouro és tu
Eternamente tu
Não há passos divergentes para quem se quer encontrar

A nossa história começa
na total escuridão
Onde o mistério ultrapassa
a nossa compreensão

A nossa história é o esforço para alcançar a luz
meu amor o impossível seduz.

O meu tesouro és tu
Eternamente tu
Não há passos divergentes para quem se quer encontrar.

Jorge Palma

1 comentário:

Maçã de Junho disse...

Um belo poema do cantautor Jorge Palma.Parabéns pela escolha...
Agenda artística actualizada ad actividade do Mestre em www.jorgepalma.pt.vu